000primeira
020opiniao
030local
050desporto
081jete
090cambios
091tempo
092ultima

 


 
  N°2681 (Nova Série), Segunda-Feira, 7 de Janeiro de 2008
JOGO FECHOU O ANO DE 2007 COM APURAMENTO TOTAL DE 83,8 MIL MILHÕES
Receitas da Venetian em Dezembro
ultrapassaram SJM pela primeira vez

O Jogo em Macau encerrou 2007 com uma receita de 83.800 milhões de patacas, num ano em que Stanley Ho foi ultrapassado pela primeira vez,
no mês de Dezembro, na realização de receitas brutas

JOSÉ COSTA SANTOS*

Dados estatísticos finais a que a agência Lusa teve ontem acesso indicam que o sector do jogo em casino apurou uma receita final de 83.000 milhões de patacas, acrescida de uma receita bruta de cerca de 800 milhões de patacas nas corridas de galgos e cavalos, lotarias e apostas de basquetebol e futebol.
Apesar de Stanley Ho, que opera 18 casinos em Macau (17 de facto, já que o casino flutuante está encerrado para remodelação) ter realizado no mês de Dezembro uma receita ligeiramente inferior à da Las Vegas Sands, manteve, no entanto, o primeiro lugar na contabilidade dos 12 meses do ano, fechando 2007 com 40 por cento da receita bruta, contra apenas 20 por cento da empresa norte-americana.
A Galaxy Resorts, grupo ligado a empresários de Hong Kong, detém o terceiro lugar global em termos de receitas brutas com 18 por cento, seguido pela norte-americana Wynn Resorts com 16 por cento.
O consórcio Melco/PBL fechou 2007 com cinco por cento da receita bruta apesar de algumas oscilações de receita ao longo dos 12 meses.
Depois de inaugurar o seu primeiro hotel/casino a 18 de Dezembro, o consórcio entre Pansy Ho e a MGM Mirage não consegue expressão percentual na receita geral anual mas garantiu, em apenas 13 dias completos de 2007, uma significativa quota de cerca de dois por cento num mês em que as receitas brutas globais dos casinos atingiram um total de 8.100 milhões de patacas.
Em Outubro de 2007, as receitas em casino estabeleceram um novo recorde absoluto num só mês, com o registo de 9.200 milhões de patacas, um valor 56 por cento superior ao que tinha sido apurado no mês homólogo de 2006 e que traduz, por exemplo, mais de um terço da receita bruta anual apurada nos casinos.
Em termos gerais, a análise dos dados do sector do jogo em Macau ao longo de 2007 permite também concluir que o crescimento foi potenciado apenas pelo aumento das receitas brutas dos casinos e das corridas de galgos, que registaram, isoladamente, aumentos de 47 e 46 por cento, respectivamente.
Todos os outros jogos - corridas de cavalos, lotarias, apostas de futebol e basquetebol - registaram crescimentos negativos de dois dígitos.
O apuramento de 83.000 milhões de patacas nos casinos de Macau traduz ainda que ao longo de 2007 foram apostadas nas salas de jogo locais mais de 2,7 biliões de patacas, já que segundo fontes do sector as receitas brutas dos casinos apenas representam cerca de três por cento do total de dinheiro apostado nas salas e slot machines.
Os números do jogo de Macau mantêm uma forte subida das receitas brutas desde 2004, ano que marcou a liberalização de facto do sector com a entrada em funcionamento, em Maio, do primeiro casino fora do universo de espaços e de diversão controlados por Stanley Ho e em que foi registado um crescimento da receita bruta em cerca de 40 por cento.
Em termos comparativos, a receita de 2007 traduz um aumento global do sector (casinos e outras apostas) de 46 por cento face a 2006 e de 78 por cento face a 2005.
Se os dados forem comparados a 2004, então o crescimento das receitas de 2007 é de cerca de 93 por cento, uma quase duplicação em quatro anos.
O sector do Jogo em Macau é explorado por seis empresas - três concessionários e três subconcessionários: Sociedade de Jogos de Macau, Las Vegas Sands, Wynn Resorts, Galaxy Resorts, Melco/PBL e MGM Mirage com Pansy Ho.
Apesar de ter perdido o exclusivo do sector que dominava há 42 anos, Stanley Ho consegue ter a família envolvida em três operadores, já que além da Sociedade de Jogos de Macau tem o filho Lawrence na liderança do consórcio entre a sua Melco e a australiana PBL e a filha Pansy associada aos norte-americanos da MGM Mirage.
Os 27 casinos de Macau operavam no final de Dezembro 4.375 mesas de jogo, das quais 1.082 estavam apenas dedicadas ao segmento de grandes apostadores, e 13.277 slot machines.
As salas destinadas a grandes jogadores são “alimentadas” pelos 260 operadores “junket” (angariadores de grandes jogadores) registados em Macau, dos quais 160 são sociedades.
* Jornalista da Agência Lusa

Analista desvaloriza quebra das acções das operadoras

As acções das empresas que operam casinos em Macau e estão cotadas na Bolsa de Nova Iorque reagiram em baixa ao anúncio das receitas provisórias anuais do sector do jogo no território, mas um analista da JPMorgan Securities já desvalorizou as quebras que atingiram os títulos da MGM Mirage, Las Vegas Sands e Wynn Resorts. Para o analista Hartis Curtis, a reacção dos investidores foi sustentada numa percepção errada da actual capacidade da oferta do mercado do jogo e do potencial do hotel-casino MGM Grand Macau, inaugurado a 18 de Dezembro pela “joint-venture” formada pela MGM Mirage e Pansy Ho. Harris aconselhou os investidores a não atribuirem demasiada importância aos resultados iniciais do MGM Grand Macau, porque o hotel-casino apenas operou 13 dias em Dezembro e ainda não tem sido alvo de uma grande campanha de “marketing”. Por outro lado, o relatório do analista da casa de investimento frisa que o aumento do número de visitantes e o contínuo crescimento do mercado de massas são factores que jogam a favor das empresas do sector do Jogo. Na sessão de sexta-feira, as acções da Las Vegas Sands foram as mais penalizadas, ao sofrerem uma queda de 4,3 por cento. Já a MGM Mirage e a Wynn Resorts viram o valor das suas acções recuar 3,4 e 2,1 por cento, respectivamente.

 


 [Alto] [Voltar] [Próximo]




HOME  .  E-MAIL  .  FICHA TÉCNICA  .  EDIÇÕES ANTERIORES  .  PUBLICIDADE  .  PRIMEIRA


Copyright (c) Jornal Tribuna de Macau, All rights reserved
Design and maintainence by Directel Macau Ltd






-->